Julho… mês de balanço

Julho! Sinal de que mais um ano letivo passou – na vida das escolas e dos técnicos que as apoiam e que mais um semestre terminou – na vida das pessoas apoiadas pela formação profissional ou pelas crianças apoiadas na Intervenção Precoce.

É um mês para parar, refletir, monitorizar, avaliar… É um mês intenso!

Na Intervenção Precoce Infância: A ASSOL, em colaboração com outros serviços (educação e saúde), apoia neste momento 44 crianças (15 na equipa de Tondela e 29 na equipa de Lafões – Oliveira; Vouzela e S. Pedro). As crianças podem chegar à Intervenção Precoce Recém Nascidas e podem permanecer até aos 6 anos. O nosso objetivo de trabalho neste projeto é estimular a criança para que ela tenha um desenvolvimento o mais saudável possível e também apoiar a família de cada criança nas suas necessidades, ajudando-a a lidar com o seu filho com problemas.

No Projeto Integrado: A ASSOL apoia todas as escolas dos Concelhos de Oliveira de Frades, Vouzela, S. Pedro do Sul, Tondela e Castro Daire (com apoios diferentes, dependendo daquilo que é autorizado pelas entidades que nos tutelam). Aqui as crianças são um pouco mais velhas – em regra têm entre os 6 e os 18 anos. Os apoios dados a cada um dependem das suas necessidades e dos recursos que existem, podendo o apoio ser de psicologia, terapia da fala, serviço social ou transição para a vida adulta. Parte deste ano letivo, o projeto contou com a ajuda de duas estagiárias de psicologia, o que permitiu reforçar os apoios em algumas escolas.

Na Formação Profissional: Progredimos nas idades e o nosso formando mais novo, neste momento, tem 17 anos e o mais velho cerca de 50. A formação profissional é uma ajuda para que as pessoas que apoiamos consigam ter acesso a um emprego. Numa altura de crise, não é fácil conseguir colocação para todos os nossos formandos, mas é certo que a formação os ajuda em muitos aspetos: ensina hábitos e métodos de trabalho; permite experimentar áreas de trabalho que gostam; permite-lhes interagir com colegas; etc. Além disso, alguns deles, conseguem mesmo ficar nos locais onde realizaram uma experiência de formação. Neste momento a ASSOL tem 95 formandos (21 no pólo de Oliveira de Frades; 26 em Castro Daire e 48 em Tondela).

Julho! É este o balanço do trabalho desenvolvido nestes 3 projetos distintos. Distintos mas com algo em comum: todos têm como objetivo central promover os direitos das pessoas que apoiamos, ajudar a concretizar os seus sonhos e atraves deles, nós os técnicos, pretendemos contribuir para uma sociedade cada vez mais inclusiva e mais justa!

Sofia Simões Ferreira